Skip to main content

O que ver em Moaña: arte, rotas, praias, gastronomia e muito mais

Há muito para ver em Moaña. Esta bela cidade está situada a norte da ria de Vigo, juntamente com outros municípios geograficamente situados na Península do Morrazo. Por vezes, pode ser ofuscada nos guias de viagem por outras localidades, como as Ilhas Cíes, Cangas de Morrazo ou a própria cidade de Vigo.

No entanto, Moaña é considerada um dos lugares mais atractivos para o turismo na Galiza. Caracteriza-se por um importante património cultural, belas praias e uma vasta gama de actividades de lazer.

Se quiser conhecer todos os segredos que se podem descobrir neste pequeno recanto das Rias Baixas, aqui fica um breve resumo de tudo o que há para ver em Moaña.

O que ver em Moaña? Traços de uma história milenar

  Moaña: o que ver. Descubra tudo o que o espera em Moaña
Trilho florestal ao longo do rio Fraga, em Moaña. Esta rota percorre um total de 30 moinhos de água antigos, muitos deles em ruínas Créditos de imagem:
Contando Estrelas
(CC BY-SA 2.0)

Tal como o resto da comarca do Morrazo, Moaña foi, ao longo da história, um importante lugar de trânsito e de assentamento humano. Os vestígios da atividade destas antigas civilizações deixaram um legado de vários locais de grande interesse.

Ao longo das diferentes freguesias que se podem ver em Moaña existem numerosos vestígios da história da região. São significativos os petróglifos de Montealegre, a Borna, As Cidades, Pozo Garrido, A Escada e Os Remédios. Estas gravuras em pedra estão presentes em muitos dos percursos pedestres que Moaña oferece ao viajante.

Particularmente interessante é o Percurso Pedestre Rio Fraga – Monte Faro, que segue o curso do rio Fraga. O percurso, com cerca de seis quilómetros, termina na famosa Anta da Chan da Arquiña e na Torre de Meira.

 

A Anta

A anta, também chamada mámoa ou medoña, é um monumento funerário erigido há mais de cinco mil anos. Este megálito é um dos monumentos mais emblemáticos de Pontevedra e apresenta um estado de conservação excecional. É constituída por uma câmara poligonal formada por 11 pedras verticais e um acesso também limitado por rochas, num bosque de árvores particularmente atraente nos meses de outono.

Durante a sua escavação, foi também encontrado um enxoval de ferramentas e utensílios de pedra e fragmentos de cerâmica.

Uma nova subida ao longo deste percurso leva-nos ao ponto mais alto da Serra do Morrazo, o Monte Faro de Domaio, a 624 m de altitude. A partir deste ponto, é possível desfrutar de algumas das melhores vistas da ria e das Ilhas Cíes.

Poderemos também seguir os vestígios da cultura castreja e da romanização da região.

Na Moaña existe uma quantidade generosa destes vestígios arqueológicos, como O Castro, na freguesia de San Martiño e os Castros de Montealegre na freguesia de Domaio. Ruínas que datam desde a Idade do Bronze até à atualidade, nas quais numerosas culturas e povos diferentes estabeleceram as suas populações ao longo da história no que hoje conhecemos como o município de Moaña.

 

A Moaña na Idade Média e na Idade Moderna

O que ver em Pontevedra: Moaña
Moaña, Galiza. Créditos da imagem: Alejandro Valderrama Cardenas (CC BY-SA 2.0)

O município de Moaña está situado na península de Morrazo, que separa a ria de Vigo da ria de Pontevedra.

Esta situação particular no mapa tem muito a ver com a história de Moaña e as mudanças na sua configuração territorial, que variou constantemente até à segunda metade do século XX.

Durante muitos séculos, Moaña esteve subordinada a outras paróquias e municípios. Na Idade Média, estava sob a jurisdição de Iria Flavia e Santiago de Compostela. Foi um período particularmente turbulento, com contínuos ataques normandos que provocaram perdas radicais de população em toda a península.

A partir do final da Idade Média, as defesas costeiras foram reforçadas e favoreceu-se uma pequena explosão demográfica, coincidindo com a construção de templos cristãos simbólicos, como o Igreja de San Martiño, do século XII.com a sua planta caraterística em cruz latina, ou a do San Xoán de TiránSão dois dos exemplos mais importantes da arquitetura românica da zona, assim como a posterior Igreja de Santa Eulália, que se enquadra no protótipo barroco.

 

O ouro de Rande

Os grandes proprietários de terras da Alta e da Baixa Idade Média eram famílias nobres cujo poder se estendeu até à Idade Moderna. Após a descoberta da América, toda a região e os seus portos assumiram uma importância especial no transporte do ouro e de outras riquezas do Novo Mundo para as mãos dos conquistadores e comerciantes.

No século XVII, a cultura do milho foi introduzida na região e quase todos os terrenos agrícolas foram convertidos para a produção de milho, pontuando a paisagem com os típicos moinhos de água que ainda hoje se podem ver, em locais como a cascata d’A Poza da Moura.

Ponte de Rande
Ponte de Rande vista do mar

Em outubro de 1702, a praia de Rande assistiu a uma importante batalha entre a marinha inglesa e holandesa e as tropas franco-espanholas no âmbito da Guerra da Sucessão. A Batalha de Vigo, também conhecida como a Batalha de Vigo e sobre a qual tanto se escreveu, resultou numa derrota espanhola e na perda de uma grande quantidade de tesouros.

Atualmente, uma das coisas mais divertidas e culturalmente inspiradoras para ver em Moaña são as reconstituições que eventualmente comemoram a batalha, organizadas entre Moaña e Redondela. Uma encenação elaborada com actores vestidos com trajes de época e a Ponte de Rande ao fundo, símbolo da nossa Idade Contemporânea, quem sabe se guardando preciosos galeões afundados cheios de ouro.

 

Moaña na atualidade: o mar como ponto de referência

Domaio, foto do litoral da freguesia de Domaio, em Moaña;
Litoral da freguesia de Domaio, Moaña; a cidade de Vigo ao fundo. Créditos da imagem:
alexvc26
(CC BY-SA 2.0)

No século XIX, tudo o que dizia respeito às paróquias e à sua administração em Moaña sofreu uma mudança radical.

Meira, Moaña e Domaio estavam sob o controlo de Cangas do Morrazo, mas em 1836 foi criada a Câmara Municipal de Meira. Mais tarde, em 1874, a capital foi mudada. Nasceu o que hoje conhecemos como Concelho de Moaña, ao qual se incorporou a paróquia da Virgen del Carmen em 1955.

Com a construção dos diferentes portos e estradas, durante o século XX Moaña viveu uma explosão económica, girando constantemente em torno do mar. A par de uma pequena exploração agrícola e pecuária, a principal indústria foi sempre a pesca e os seus produtos derivados.

Os movimentos sociais têm sido uma das marcas da região nas últimas décadas, em resultado do crescimento contínuo da indústria naval e das pescas.

 

O sector do turismo

O sector do turismo foi impulsionado na segunda metade do século XX.

Os recursos começam a ser explorados neste domínio, tirando partido da atratividade de toda a zona. Estão a começar a ser construídas estâncias turísticas como A Fraga, o campo de golfe de Domaio e três marinas. É dada especial atenção ao cuidado das praias e a bandeira azul é atribuída à Praia do Con e A Xunqueira.

Moaña:
Escultura O Fisgón, Moaña. Créditos da imagem:
Bicicleando
(CC BY-SA 2.0)

A indústria hoteleira e o turismo rural também estão a ser promovidos. O que eram originalmente casas particulares, algumas delas abandonadas, foram reinventadas como casas rurais. Atualmente, Moaña conta com dezenas destes alojamentos rurais e a oferta de alojamento é cada vez mais ampla e de maior qualidade.

O Concello de Moaña fornece informações sobre alojamento no seu sítio Web, entre os quais se destaca o Hotel Bienestar, de 4 estrelas.

Desde 2009, a escultura O Fisgón mantém-se desafiadora. Uma sentida homenagem ao mar e uma das obras mais modernas que se podem ver na Moaña. O Fisgón – ou Neptuno, popularmente – preside ao quebra-mar em frente ao passeio marítimo de Moaña. Uma exposição de cultura e arte ao ar livre que resume a relação desta cidade com o oceano.

 

As melhores praias para ver em Moaña

  Praia da Xunqueira: uma das melhores praias da Moaña.

Praia e jardim de A Xunqueira. Créditos da imagem:
Bicicleando
(CC BY-SA 2.0)

As praias de Moaña, em Pontevedra, estendem-se ao longo de toda a costa sul do município.

Desde a Ponte de Rande até aos limites de Cangas do Morrazo, há praias intermináveis, estreitas e abertas nas extremidades e largas na parte central da vila. Banhadas pelas águas da ria de Vigo, estas praias são frescas e as condições do mar são normalmente calmas.

As praias mais importantes para ver em Moaña são, talvez, a Playa da Xunqueira e a Playa de Meira.

Vizinhos um do outro, são dois grandes areais que formam uma praia urbana e que ficam cobertos quando a maré está alta. Ambas estão rodeadas por árvores e parques, com vários restaurantes perto da praia, e têm todos os serviços. Sem dúvida, um bom plano para um dia de praia em Moaña.

 

Todos os tamanhos

Ao longo de toda a costa, pequenas praias e enseadas alternam com praias de areia larga.

Entre as primeiras, podemos encontrar a Playa do Niño Corvo, em Tirán, a Playa do Porto, em Domaio. Perto da marina encontra-se a Playa do Muelle. Também a pequena praia de O Con, com bandeira azul e totalmente equipada.

No segundo grupo estão as praias maiores, como a Praia do Canabal, que é muito tranquila, a Praia da Borna, com uma secção de nudismo, ou a Praia de San Bartolomeu, onde costuma haver um grande número de mariscadores.

 

Como ver tudo o que há para ver em Moaña

A melhor maneira de conhecer o município é dar um passeio pelos diferentes percursos pedestres que percorrem toda a geografia do Morrazo.

Ao planear a sua viagem, pode preferir passar mais do que um dia para descobrir todos os segredos das diferentes freguesias. Para além de o aconselhar a ver Moaña de perto, deve saber que também há muito para ver perto de Moaña.

Os hotéis e as casas rurais de Moaña oferecem aos viajantes uma grande variedade de opções de alojamento para pernoitar na vila e nos seus arredores. Além disso, Moaña faz parte da área metropolitana de Vigo, pelo que as comunicações com o centro da cidade e outros serviços estão garantidas.

No que diz respeito ao turismo gastronómico em Moaña, os restaurantes de Moaña e das localidades limítrofes oferecem opções para todos os orçamentos e satisfazem os paladares mais exigentes.

Produtos frescos e naturais do estuário, marisco, carnes galegas e os melhores vinhos locais estão disponíveis numa grande variedade de restaurantes.

 

Moaña é uma festa

Se quiser visitar a cidade nos dias em que se celebram as festas da sua padroeira, não perca as festas da Virgen del Carmen e de San Martiño.

São comemorados em 16 de julho e 11 de novembro, respetivamente. Em honra da Virgem dos Marinheiros, realizam-se todos os tipos de celebrações religiosas e seculares, incluindo procissões marítimas.

Para além das festas de Carmen e San Martiño, Moaña celebra as diferentes festas de cada paróquia.

De referir a romaria de São Lourenço e Santa Bárbara, de 10 a 12 de agosto, na freguesia de Domaio. Também o carnaval galego particular , O Entroido, que se celebra sempre uma semana depois do tradicional. Aqui, os viajantes ficarão surpreendidos por se encontrarem numa festa cheia de alegria, música e vida.

As associações culturais desempenham um papel muito importante para preservar as festividades e não perder o contacto com as tradições destas terras. Com uma enorme dedicação, geralmente altruísta, estas associações culturais protegem a cultura galega. O famoso Festival Intercéltico, que se realiza há mais de 35 anos, é atualmente um dos mais importantes festivais de música folclórica do mundo.

Por último, se desejar obter mais informações sobre tudo o que Moaña tem para oferecer, visite o Posto de Turismo na praça da Câmara Municipal.

 

A marca literária de Domingo Villar, um novo incentivo para visitar Moaña

O último romance de Domingo Villar (agora para sempre) passa-se em diferentes partes de Moaña. O escritor galego, infelizmente já falecido, inspirou-se na aldeia de Morrazo e aí ambientou grande parte do enredo de “O Último Barco”.

Domingo Villar, em 2019, ao lado do navio Nabia na doca de Vigo. Foto de RICARDO GROBAS para Faro de Vigo

O protagonista do romance apanha “o último barco” da Linha Regular Moaña-Vigo-Moaña. O navio chama-se “Pirata de Cíes”, um dos navios da frota dos Piratas de Nabia. O protagonista vive na freguesia de Tirán, situada entre Moaña e Cangas. A Igrexa de San Xoán de Tirán, as praias, o cais de Moaña, ou o “Mirador da Mona” são também protagonistas.

“A pequena igreja paroquial de Tiran ocupava o centro de uma colina, uma plataforma sobre o mar com um chão de paralelepípedos que encerrava um muro de meio metro de altura”. (Domingo Villa, O Último Barco, Editorial Galaxia).

 

 

Descobrir: Há muito para ver em Moaña

Praia de Borna em Moaña, Galiza

Moaña é acolhedora e marítima, alegre, cheia de história e de presente, de natureza e de cultura.

Embora não esteja habitualmente entre os destinos mais procurados pelos turistas, há muito para viver, muito para admirar e muito para ver em Moaña. Esperamos por si!

¿Tienes alguna duda?

Nuestro equipo a tu disposición para resolver tus dudas.

× WhatsApp