Skip to main content

Visitar a Ilha de Ons, 5 curiosidades sobre esta alternativa ao ar livre

Neste momento, sabemos que visitar a ilha de Ons é uma das coisas que mais gostaria de fazer neste momento. Também sabemos que está cansado de estar em casa e de não poder viajar devido a todas as limitações que fazem parte do nosso quotidiano, mas o bom tempo aproxima-se e não podemos deixar de começar a planear novas aventuras para desfrutar consigo. Mesmo em tempos de pandemia, queremos que conheça melhor alguns dos nossos destinos e que se sinta novamente próximo de nós.

Gostaria de ler mais?

Para sabermos do que estamos a falar, é necessário situarmo-nos primeiro, por isso vamos passo a passo. Um dos paraísos da Galiza é o Parque de las Islas Atlánticas, que certamente já conhece, pelo menos por saber que nele se encontra a melhor praia do mundo. É constituído pelas ilhas Cíes, Ons, Sálvora e Cortegada. Caracterizam-se pelas suas areias brancas e águas cristalinas mas frias. É bom recordar isto para não pensar que estamos a falar das praias das Caraíbas.

O que precisa de saber para visitar as Ilhas Ons

Desta vez, vamos centrar-nos no facto de optar por visitar a ilha de Onsmas no nosso blogue poderá encontrar curiosidades de algumas das outras maravilhas do Atlântico galego, pelo que esperamos que ao ler isto possa sentir a sensação de estar imerso entre as ondas de um ambiente paradisíaco e não entre palavras.

Vamos a isto!

Este pequeno arquipélago situa-se nas Rias Baixas, mais concretamente à entrada da ria de Pontevedra. Pertence a Bueu e é uma ilha ideal se procura paz e sossego, quer esteja com a sua família, amigos ou sozinho, porque com estas paisagens não precisa de mais nada.

Mas atenção!

Nalguns casos, é obrigatório ser portador de uma autorização, que pode ser de dois tipos: de visita diária e de pernoita. Mas isso também depende da estação do ano em que viaja, pelo que pode obter mais informações aqui para saber o que é melhor para si. A partir de Bueu, Portonovo, Vigo, Cangas, Baiona e A Pobra do Caramiñal, os nossos barcos levam-no a este património natural. A duração da viagem varia consoante o ponto de partida. No entanto, é muito importante escolher as datas para visitar a ilha de Ons com antecedência, tendo em conta a capacidade da ilha.

Não podemos deixar de mencionar as suas incríveis praias e mais especificamente a praia de Melide, considerada a praia mais encantadora de Ons. No entanto, fica longe do centro principal e da zona hoteleira e de restauração, por isso, se preferir uma localização mais central, pode optar por ir à praia de Dornas.

5 coisas que provavelmente não sabia

Como qualquer outro lugar, a ilha de Ons tem uma longa história cheia de curiosidades que certamente desconhecerá, e não só, mas que o surpreenderão. Para ser breve, hoje trazemos-lhe 5 deles.

  1. Sabias que antigamente era um paraíso para os piratas? Sim, como explicámos no nosso post sobre a história da ilha de Ons, estas ilhas sempre tiveram habitantes, mesmo os que não se esperam. Foi na Idade Moderna que começaram as pilhagens e os cercos dos corsários ingleses e dos piratas turcos e da Barbária. Foi assim até ao século XVIII, altura em que decidiram fugir para o litoral.
  2. Foram recentemente descobertos três petróglifos nas Ilhas Ons: dois no Chan da Pólvora e outro no Laxe. Os seus restos estão muito alterados e a erosão eliminou parte do desenho, o que significa que provavelmente tinham mais desenhos do que os que se podem ver atualmente. Não se sabe a que período cronológico pertencem estes vestígios rochosos, mas pensa-se que poderão datar do Neolítico à Idade do Ferro.
  3. Em suma, podemos também dizer que se acreditava que O Buraco do Inferno era a entrada para o submundo e isso tem uma explicação. Estamos a falar do poço mais profundo da província de Pontevedra (80m), o que significa que o seu fundo deve dar vontade de o descer. A mistura do bater do mar em dias de tempestade com o som dos guillemots que fazem os seus ninhos no interior do país faz com que se confunda com o lamento das almas do submundo.
  4. No farol do Faro de Ons chegamos ao ponto mais alto da ilha, o Alto do Cucorno. Tem mais de 150 anos e é um dos poucos faróis que ainda está em funcionamento graças a um faroleiro, uma profissão em vias de extinção. Atualmente, é uma profissão que foi substituída pela tecnologia e são muito poucos os faróis que dependem de seres humanos para o seu funcionamento. Mas em Ons continua a ser o faroleiro o responsável pelo seu cuidado e funcionamento.
  5. Polvo à moda da caldeirada, tenho a certeza de que se pesquisar sobre estas ilhas vai ler sobre polvo e vai ficar surpreendido, embora se falarmos da Galiza, a gastronomia está sempre ligada. Entre os pratos que podem ser degustados, destaca-se este. É consumido à moda da ilha, cozinhado com batatas e um molho de colorau, óleo, alho e cebola. Mas há também um prato mais tradicional, com cachelos, ou seja, polvo à feira.

 

Se está a pensar visitar a ilha de Ons, deixamos-lhe um post onde pode descobrir o que ver na ilha de Ons. Talvez isso o ajude a planear a sua viagem ou a continuar a descobrir os seus segredos, sabe que as nossas ilhas não desiludem.

Não se sente o cheiro do mar?

¿Tienes alguna duda?

Nuestro equipo a tu disposición para resolver tus dudas.

× WhatsApp