Skip to main content

Fauna das Ilhas Atlânticas

Ilhas Atlânticas, conhece a fauna do Parque Nacional?

Desfrutar das ilhas do Parque Nacional das Ilhas Atlânticas da Galiza é um luxo ao nosso alcance. Mas podemos aumentar esse prazer conhecendo-os melhor. A fauna autóctone das ilhas atlânticas é rica, nomeadamente em aves. O seu conhecimento ajudar-nos-á a compreender as ilhas, a apreciá-las e a conservá-las melhor quando as pudermos visitar novamente.

Vejamos alguns dos animais que podemos encontrar nos nossos passeios pelos trilhos que percorrem as ilhas do Parque Nacional Marítimo-Terrestre das Ilhas Atlânticas da Galiza.

E se falarmos da fauna destas ilhas, temos de falar das aves. Para além dos insectos, as aves constituem 80% da sua fauna terrestre. Destacam-se as espectaculares colónias de aves marinhas que nidificam nas suas encostas, uma referência mundial do Parque Nacional.

ilhas atlânticas
A gaivota-de-patas-amarelas é a estrela da fauna do Parque Nacional das Ilhas Atlânticas.

Condições insulares: menor presença humana, menos predadores, recursos marinhos abundantes e bons locais de reprodução. Tudo isto faz com que as ilhas sejam um bom lar para uma grande variedade de aves, especialmente aves marinhas, mas também aves terrestres e migratórias. Por este motivo, tanto Cíes como Ons estão classificadas como ZPE (Zonas de Proteção Especial para as Aves).

Das aves marinhas que nidificam no Parque Nacional, a mais abundante e uma das mais emblemáticas é a gaivota de patas amarelas (
Larus michahellis
).

Na primavera, cerca de 10.000 casais desta impressionante ave concentram-se nas encostas das ilhas, formando uma das maiores colónias da Europa. Se visitar as Ilhas Cíes durante a época de reprodução , não perca a subida ao farol, de onde se ouvem os seus impressionantes gritos.

Reprodução na primavera

Cada casal põe 1 a 3 ovos, que eclodem em junho. As crias são cuidadas pelos pais durante 2 meses, que as alimentam e protegem com grande coragem. Por isso, se visitarmos as ilhas quando as crias ainda estão nos seus ninhos, teremos sorte em vê-las. Parecem pequenas bolas de penugem cinzentas claras com manchas pretas. No entanto, é preciso ter cuidado para não os incomodar ou aproximar-se demasiado, se não quisermos apanhar um susto ou mesmo uma bicada de um dos seus progenitores.

Após estes 2 meses, as crias atingem o tamanho quase adulto e começam a fazer exercícios de voo, tendo de começar a defender-se sozinhas. Só depois dos 3 a 4 anos é que se tornam adultos e mudam a cor da plumagem para o branco e cinzento característicos do dorso e amarelo nas patas e no bico. Mas de que é que as gaivotas se alimentam nas ilhas? durante a época de reprodução, principalmente de caranguejos, mas também de mexilhões, cracas, estrelas-do-mar, etc.

Mas não é só esta gaivota que nidifica no Parque Nacional, entre os grupos de gaivotas de patas amarelas não é difícil ver uma com o dorso mais escuro, quase preto. É a gaivota-de-cabeça-preta (Larus fuscus), muito mais raros tanto na Europa como na Península Ibérica. A ilha de nidificação preferida da gaivota é Sálvora, onde nidificam anualmente cerca de duas dezenas de casais.

O corvo-marinho, a outra estrela das ilhas atlânticas

Outra das aves mais emblemáticas do Parque é a corvina (
Phalacrocorax
Aristóteles). É assim chamado por causa do “laço” de penas que usam durante a época nupcial. Ao visitar as ilhas, é fácil vê-los a voar ao longo da água em busca de cardumes de peixes ou empoleirados nas rochas da costa a secar a plumagem. As crias desta preciosa espécie são muito difíceis de ver antes de abandonarem o ninho. Os corvos-marinhos reproduzem-se nas bordas rochosas das furnas (grutas marinhas) ou nas falésias.

Após alguns meses, atingem quase o tamanho dos seus progenitores, mas com uma plumagem diferente, pois têm tons brancos no peito e no pescoço.

O galhudo está catalogado como espécie vulnerável na Galiza e em perigo de extinção a nível nacional, e os 1.000 casais que se reproduzem nas ilhas atlânticas constituem um dos maiores enclaves do mundo, concentrando quase 50% da população espanhola.

ilhas atlânticas
Phalacrocorax_aristotelis_Cormorán Moñudo. Residente em Cíes e Ons

A sua população nas ilhas diminuiu drasticamente nos últimos anos. Isto deve-se principalmente ao facto de ficarem presos nas redes de pesca. Os efeitos a longo prazo da catástrofe do Prestige também devem ser tidos em conta.
Catástrofe do Prestige
A catástrofe do Prestige (bioacumulação de resíduos poluentes e diminuição da população de galeotas, principal alimento desta espécie) e a predação de espécies invasoras como o vison americano.

Por todas estas razões, é muito importante não poupar esforços na sua conservação para evitar que o emblema do Parque Nacional das Ilhas Atlânticas da Galiza desapareça.

Para além das aves marinhas nidificantes, podem ser observadas outras aves, consoante a época do ano.

Outras aves do Parque Nacional

No inverno, podemos ver mais vida selvagem das ilhas atlânticas: grandes corvos-marinhos e gaivotas de cabeça preta que

utilizam as ilhas como refúgio. Na primavera e no outono, por outro lado, é fácil ver grupos de alcatrazes a alimentarem-se e andorinhas-do-mar de patas pretas à procura de peixe. Além disso, muitas aves pernaltas vêm para as lagoas, praias e para o “Lago dos Nenos” nas Ilhas Cíes durante a migração, para descansar e refugiar-se.

Num dos diferentes percursos do Parque podemos também observar aves terrestres. Por exemplo, aves de rapina como o abutre (
Buteo buteo
), o falcão peregrino (
Falco peregrinus
) ou o açor (
Accipiter gentilis
), entre outros.

Uma multidão de pequenos passeriformes salta entre os ramos das árvores e dos arbustos: tentilhões, pintassilgos, pintassilgos, pintassilgos verdes, piscos-de-peito-ruivo e outras pequenas aves.

Está disposto a deslocar-se a Ons e Cíes para observar a fauna?

 

Diana del Río.

 

¿Tienes alguna duda?

Nuestro equipo a tu disposición para resolver tus dudas.

× WhatsApp