Skip to main content

Como visitar a ilha de Sálvora; uma ilha cheia de história e lendas

Quando se aproxima o período de férias, muitas pessoas perguntam-se como visitar a ilha de Sálvora, uma vez que é a menos conhecida das ilhas que compõem o Parque Nacional Marítimo e Terrestre das Ilhas Atlânticas da Galiza. No entanto, a sua flora e fauna, o seu património histórico e as suas lendas fazem com que não tenha nada a invejar às suas companheiras de parque nacional: as ilhas Cíes, a ilha de Cortegada e Ons.

Junta-se a nós para descobrir esta joia das Rias Gallegas?

Breve história da ilha de Sálvora

Como visitar a ilha de SálvoraA ilha de Sálvora, refúgio de piratas e corsários até ao século XIX, é a única ilha visitável do arquipélago de Sálvora (constituído pela ilha do mesmo nome e por vários ilhéus: Vionta, Noro, Herbosa, Sagres, etc.).

Situado nas Rias Baixas, em frente à foz da ria de Arousa, e separado do continente por uma distância de apenas 3 km. distância, a ilha de Sálvora pertence ao município de Ribeira, na província de La Coruña.Galiza (sendo a única ilha do Parque Nacional que pertence a esta província, já que as outras estão situadas em Pontevedra).

Tem apenas 1 km de comprimento e 200-300 m. Em geral, não existem registos deste paraíso antes da Idade Média.A existência de povoações na ilha antes desta data é, portanto, incerta. Assim, no final da Idade Média (depois de fazer parte da cornona galaico-asturiana), Afonso II doou-a à Igreja de Santiago. É também conhecida pela sua utilização estratégica como base militar marítima para vikings e sarracenos (no final da Idade Média) e para piratas e corsários (nos séculos XVI, XVII e XVIII).

Em meados do século XVI, a ilha ainda estava nas mãos de particulares, mas passou das mãos da Igreja para as da nobreza, que a geriu sob um regime feudal até ao início do século XVII. Assim, os colonos trabalharam as terras da zona, entregando parte das colheitas e do gado à família Mariño, que em 1820 se casou com a família Otero, nova proprietária da ilha até 1904.

Por último, a ilha de Sálvora, propriedade privada desde a Idade Média, passou a fazer parte do Parque Nacional das Ilhas Atlânticas da Galiza em 2001 e, em 2008, foi adquirida pela Xunta de Galicia para gestão pública. Por último, está acessível ao público desde 2010.

Visitar a ilha de Sálvora: Como lá chegar?

pirata-ounce-pirataSe quiser visitar a ilha de Sálvora, deve saber que, por se tratar de uma excursão tão especial dentro de um ambiente protegido, apenas 125 pessoas podem desembarcar na ilha todos os dias.

Tal como acontece com o resto das ilhas atlânticas da Galiza, As viagens para a ilha podem ser efectuadas por barco privado (para o qual é necessário obter uma licença de navegação) ou por fretamento de um barco.A ilha é um destino popular para passeios de barco com uma das companhias de navegação que efectuam viagens de barco regulares para a ilha.

Para obter mais informações sobre os nossos serviços e as próximas excursões de cruzeiro pela ilha, fique atento ao nosso sítio Web e às redes sociais (Facebook e Twitter). Durante a sua viagem, poderá desfrutar, a partir do porto de origem, de um maravilhoso percurso ao longo da ria de Arousa entre as numerosas jangadas de mexilhão.

Os tesouros escondidos da Galiza O que ver na ilha de Sálvora?

Viajar para a Ilha de Salvora

A ilha de Sálvora oferece vários passeios e percursos turísticos através dos quais se podem descobrir os recantos mais mágicos da sua história. Uma das coisas a ter em conta antes de visitar a ilha é que a própria ilha carece de serviços básicos (cuidados de saúde, casas de banho, água potável, etc.), bem como de caixotes do lixo.Por conseguinte, é importante trazer de volta para o continente os resíduos que geramos durante a nossa visita.

Ao desembarcar na ilha, Somos recebidos por um painel de informação e de sinalização do Parque Nacional. Aqui pode consultar um mapa do arquipélago com pontos de interesse e itinerários. bem como alguns aspectos relacionados com o regulamento e as visitas do parque. Durante a época de verão, é habitual a presença de um guia do parque nacional para fazer visitas guiadas à antiga aldeia de Sálvora. Os dois percursos, que partem do ponto de desembarque, levar-nos-ão ao farol e à aldeia antiga. Existe também um itinerário auto-guiado com painéis interpretativos no percurso até ao farol, intitulado “Um passeio lendário por Sálvora”.

Quer conhecer os locais mais interessantes da ilha de Sálvora? Continue a ler e descubra todas as paragens obrigatórias. da nossa ilha menos conhecida no parque nacional:

  • Fábrica de Secagem e Salga de Peixe ou Residencial Pazo de Sálvora

Fábrica de Secagem e Salga de Peixe ou Residencial Pazo de SálvoraEm 1770, a família Otero Goyanes construiu na ilha a primeira Fábrica de Secagem e Salga de Peixe da Galiza, o chamado O’ Almacén, que mais tarde, em 1958, foi construído, seria transformado no Pazo residencial da ilha de Sálvora. Com torres e ameiasA imagem atual está muito longe do que deve ter sido a original.

Graças ao trabalho da fábrica, a população da ilha atingiu 70 pessoas que se fixaram definitivamente na aldeia de Sálvora.

  • A antiga aldeia de Sálvora

A antiga aldeia de SálvoraUma das maiores atracções em 2019 quando se visita a ilha mais desconhecida do Parque Nacional das Ilhas Atlânticas é visitar a aldeia abandonada de Sálvora. Uma viagem que, embora só possa ser feita com um guia autorizado, é um dos nossos percursos preferidos e mais recomendados dentro desta área natural protegida.

O passeio ou a Rota da Aldeia conduzir-nos-á à antiga povoação, uma aldeia em forma de U composta por 8 casas à volta de uma praça e 2 bebedouros. Cada uma das casas desta zona era composta por duas divisões, antigamente uma cozinha e um quarto, e nelas podiam viver até 12 pessoas. Em 1972, o último habitante permanente deixou a aldeia por falta de trabalho após o encerramento da fábrica.

Naufrágio do navio a vapor Santa Isabel

Naufrágio do navio a vapor Santa IsabelGostaríamos de incluir neste guia uma homenagem especial às vítimas e heróis da tragédia do Vapor Santa Isabe (ocorrida em 1921 ao largo da ilha de Sálvora). Conhecido como o “Titanic galego” ou “Titanic de Sálvora”, este naufrágio é considerado a maior tragédia marítima da história da Galiza, com 213 mortos dos 268 que se encontravam a bordo.

Confrontado com um corte de energia (em consequência do acidente), o Santa Isabel apenas recebeu ajuda dos vizinhos da ilha, alertados pelo faroleiro de Sálvora que tinha ouvido os gritos ao largo da costa. Os habitantes de Sálvora actuaram como verdadeiros heróis, enviando 3 dornas ou pequenos barcos para resgatar os passageiros. Graças a esta ajuda, foi possível salvar 15 a 20 pessoas. do navio afundado.

Como curiosidade adicional, Em 2019, a realizadora espanhola Paula Cons está atualmente a rodar o seu mais recente filme (“El Santa Isabel”), que incluirá um filme inspirado no incidente. Nele, poderemos conhecer de perto a história de 3 das heroínas. que participaram nos trabalhos de salvamento e que mereceram o respeito e a admiração de toda a Galiza e de Espanha pela sua valentia: Cipriana Orujo, Josefa Parada e María Fernández.

  • Capela de Santa Catalina

Capela de Santa Catalina em SálvoraOutra paragem obrigatória na nossa viagem à ilha de Sálvora é a Capela de Santa Catalina. Antiga taberna de marinheiros, pescadores da ilha e estrangeiros que se dedicavam à pesca, foi transformada em 1960 num edifício religioso com o nome da padroeira da ilha.

  • Farol de Sálvora

Farol de SálvoraComo mencionado acima, A Rota de Faro e a Rota da Vila são as duas principais rotas da ilha de Sálvora. A Rota do Faro é um percurso que, como o seu nome indica, nos conduz durante 1,2 km até ao farol de Faro de Sálvora.

Construído em 1921, o farol de Sálvora substituiu um farol anterior, construído em 1852 e situado num ponto mais baixo.

  • Praias da ilha de Sálvora

    Praias em Sálvora

Enquanto que a maior parte do perímetro de Salvora é rochoso, A ilha oferece também várias praias desertas para escolher, onde pode nadar e desfrutar das águas cristalinas e do sol: a praia “do Castelo” ou “do Almacén”, a praia de Os Lagos, a praia de Zafra e a praia da Área dos Bois.

  • A sereia de Sálvora

A sereia de SálvoraUma das figuras mais representativas do local é a escultura da sereia de Sálvora, “Mariña”. Joaquín Otero Goyanes, Marquês de Revilla (descendente e herdeiro dos primeiros proprietários da ilha), ordenou a sua construção em 1956 em honra de uma das lendas mais importantes da região.

A lenda da sereia de Sálvora conta que um cavaleiro romano, chamado Don Froilaz, depois de naufragar e chegar à ilha, encontrou, a passear numa praia, uma sereia, muda, por quem se apaixonou. Os dois casaram-se e tiveram um filho chamado Mariño. (nome da linhagem da família Mariño, em cujas mãos, como já foi referido, residia a propriedade da ilha). Embora existam várias versões, a história continua quando Froilaz, preocupado com a incapacidade da sereia para falar, decide saltar com o seu filho sobre a fogueira na noite da véspera de verão, a conselho do abade da ilha, para a assustar. Diz-se que a sereia, pensando por um momento que o seu filho ia cair nas chamas, cuspiu um pedaço de peixe da boca e exclamou “Filho!”, recuperando assim a fala Cartaz Sálvora Sereia. Outras histórias contam que quando a sereia deu à luz o seu filho, este tinha olhos azuis profundos. Após a morte do seu marido na batalha de Roncesvalles, a sereia regressou ao mar, mas com um aviso: cada geração da descendência do seu filho deveria dar-lhe um dos seus filhos.

Atualmente, os descendentes que ainda conservam o apelido Mariño sentem-se ligados à história da sua suposta antepassada, a sereia de Sálvora. Da mesma forma, a geografia atlântica apresenta muitas outras lendas que ligam casas nobres e brasões ao mar e aos seus habitantes (os Miranda Galaico-Aasturianos, os Picoña, os Padín, etc.).

  • Fonte de Santa Catalina

Cartaz da ilha de OnsNo caminho para a vila, encontramos a Fonte de Santa Catalina ou Fonte de Telleira, cujas águas, segundo as lendas da ilha, dão saúde e força a quem a ela acorre desde o tempo dos normandos e vikings. Na sua pedra está gravado: “Fonte de água virtuosa que dá saúde e força”.

Apesar de não estar sob controlo sanitário, os visitantes continuam a beber a sua água e a confiar nos seus benefícios milagrosos.

  • Ilha de Sálvora: fauna e flora

Fauna e Flora da Ilha de SálvoraA fauna da Ilha de Sálvora é muito variada, em parte devido ao interesse do antigo proprietário da ilha, o Marquês de Revilla, em transformar a ilha num território de caça. Assim, entre a fauna terrestre, podemos encontrar exemplares de Cavalos galegos, veados, javalis, coelhos, rãs, gaivotas, corvos-marinhos, garças, aves de rapina… Por seu lado, a variedade de A fauna marinha é também muito rica na ilha, deliciando os praticantes de snorkeling com todo o tipo de peixes, alfinetes, mãos de homem morto, vermes marinhos, ceriantos, gorgónias, estrelas-do-mar, ascídias, briozoários, ouriços-do-mar, crustáceos… Quanto à flora da ilha de Sálvora, podemos destacar a sua grande variedade de algas de todos os tipos, que cobrem o sistema marinho da ilha.

  • Formações rochosas

É interessante notar, além disso, que na ilha de Sálvora Os rochedos e ilhéus do arquipélago também têm as suas próprias tradições ou fábulas. Por exemplo, O Home de Sagres refere que quando a ilha era habitada pelos Strimians (ocupantes do território galego antes do Império Romano), estes tinham o poder de petrificar os seus adversários com o olhar. (daí os numerosos ilhéus que rodeiam a ilha).

No nosso percurso podemos ainda observar outras formações rochosas com história, como os penedos graníticos do Alto de Gralleiros, intimamente ligados à Santa Compaña, ou as pedras esculpidas pelo mar e pelo vento, popularmente conhecidas como “O Elefante de Sálvora”.

  • Rota Xacobeana na ilha de Sálvora

    Rota de Xacobea em Sálvora

A Rota Marítima do Caminho de Santiago percorre a ria de Arousa e o rio Ulla, comemorando a chegada do apóstolo Santiago à Galiza por mar, por volta do ano 44 d.C. Esta via fluvial xacobea atravessa algumas ilhas como Ons, Sálvora, A Toxa e Illa de Arousa.

Viagem à ilha de Sálvora: algumas recomendações finais

Viagem à ilha de Sálvora

Depois da visita guiada aos pontos mais importantes da geografia da ilha de Sálvora, é possível que tenha algumas dúvidas sobre as actividades que aí se podem realizar. Tome nota das nossas recomendações e conselhos finais para tornar a sua viagem inesquecível:

  • Como já foi referido, não existem caixotes do lixo na ilha, pelo que é importante trazer todos os resíduos gerados no nosso porto de origem. Se se esqueceu de trazer um saco, lembre-se de que pode pedir um no balcão de informações.
  • Leve água e beba-a em abundância. Não se esqueça dos óculos de sol, dos chapéus e do protetor solar para se proteger da exposição prolongada ao sol, das temperaturas de verão e do vento, que podem provocar desidratação.
  • Use calçado desportivo e roupa confortável; não se esqueça de trazer um casaco quente e roupa impermeável.
  • A riqueza da flora e da fauna da ilha foi preservada devido à limitada influência do homem. Respeitar a vida selvagem; não tocar, apanhar ou Um passeio lendário por Sálvoraperturbá-la. Não alimentar as gaivotas e os peixes (eles não precisam de comida). Não introduzir espécies animais ou vegetais exóticas. É igualmente proibido arrancar, cortar ou danificar a vegetação.
  • É aconselhável levar binóculos e repelente de insectos. Tenha em atenção que, devido à existência de gado, pode encontrar carraças ou mutucas em qualquer altura do ano.
  • Para fazer snorkeling sem pesos não precisa de autorização, mas é altamente recomendável informar-se previamente na cabina de informação sobre as melhores zonas, bem como sobre as zonas mais perigosas ou não permitidas. É igualmente aconselhável usar óculos de mergulho e um fato de mergulho se for praticar este desporto.
  • Também não é permitido levar consigo quaisquer elementos naturais da ilha, sejam eles conchas, pedras ou outros objectos. Lembre-se que as fotografias que tirar na sua viagem são uma óptima recordação e, além disso, não alteram o habitat natural da ilha de Sálvora.
  • Em qualquer percurso da ilha, por se situar numa zona natural e protegida, não é permitido acender qualquer tipo de fogo, pesca, pesca desportiva, mergulho ou turismo náutico.
  • Conduzir apenas em estradas autorizadas, ter em conta a sinalização e as marcações.
  • Viajar para Sálvora com Piratas de Nabia Também não é permitido o desembarque de animais de estimação (exceto cães-guia) e de veículos a motor (exceto cadeiras de rodas).
  • Seguir sempre as instruções do pessoal sobre o regulamento do Parque Nacional durante as visitas guiadas.

Como visitar a Ilha de Sálvora: a sua próxima aventura

Como visitar a Ilha de Sálvora: a sua próxima aventura

Como vimos, visitar a ilha de Sálvora é uma grande aventura para toda a família onde nos espera a história, a lenda, a natureza e a magia de uma ilha desconhecida.

Está ansioso por planear a sua viagem?

Se quiser mais informações sobre como viajar para a ilha de Sálvora, siga-nos nas nossas redes sociais ou escreva-nos através do nosso site ou do nosso endereço de e-mail. Nas Piratas de Nabia trabalhamos todos os dias para o aproximar do destino dos seus sonhos, tratamos de tudo.

Aguardamos com expetativa a vossa próxima aventura!

¿Tienes alguna duda?

Nuestro equipo a tu disposición para resolver tus dudas.

× WhatsApp