Skip to main content

Venha visitar a ilha de Ons, uma pequena ilha fantástica.

Visitar a ilha de Ons é uma das principais atracções para qualquer viajante do Parque Nacional das Ilhas Atlânticas (Galiza). Pertencente ao município de Bueu, na província de Pontevedra, a ilha de Ons oferece um tesouro natural e toda uma gama de opções turísticas e gastronómicas que farão da sua visita uma das suas melhores viagens.

Desde Piratas de Nabia convidamo-lo a subir a bordo e a navegar em direção a esta pequena joia das nossas Rias Baixas. Estamos todos prontos no porto, vamos partir?

ONDE FICA A ILHA DE ONS E COMO A PODE VISITAR?

A ilha de Ons é a maior ilha do arquipélago de Ons. Este arquipélago está situado à entrada da ria de Pontevedra e a 4 km do continente. É constituída pela ilha de Ons, pela pequena ilha de Onza e por uma série de pequenos ilhéus que se estendem ao longo da costa de ambas, incluindo O Centolo, no extremo norte da ilha, e o ilhéu de A Freitosa, a sul. A ilha tem cerca de 5,9 km de comprimento de norte a sul e 1,3 km de largura. De perfil, com um perfil estreito, a sua altura máxima é registada no Alto do Cucorno. Neste ponto, encontraremos o famoso farol da ilha de Ons. O farol está situado a 128 m acima do nível do mar e a sua luz é visível durante 24 milhas náuticas.

A superfície total do arquipélago e das suas águas é de 2.641 hectares, dos quais 2.171 hectares marítimos e 470 hectares terrestres (4.458 km2) e situa-se geograficamente a 42º 22′ de latitude norte e 8º 56′ de longitude oeste. Situa-se no mapa a norte das Ilhas Cíes, tendo ambas as formações feito parte de uma cadeia montanhosa no passado, submersa na nossa época em frente às Rias Baixas.

A ilha de Ons conta atualmente com uma população permanente de 78 habitantes, segundo o recenseamento de 2010. No entanto, Nos meses de verão, o número de pessoas aumenta para quase meio milhar.Graças a todos os turistas que desejam visitar a ilha e aos habitantes de outras localidades da costa galega que escolhem Ons como destino de férias, principalmente na Páscoa, nos fins-de-semana de maio e nos meses de julho e agosto.

Só é possível visitar a ilha de Ons em barco privado, para o qual é necessário solicitar uma autorização de ancoragem, ou a bordo de um barco de uma companhia de navegação. A Naviera Nabia presta este serviço na época alta, com diferentes horários e rotas com partida de Bueu e Portonovo. Pode obter mais informações sobre estes serviços, horários e tarifas dos bilhetes ligando para o número +34 986 320 048.

 

UM POUCO DE HISTÓRIA

História da ilha de Ons
Petróglifos encontrados em Ons

Visitar a ilha de Ons é uma viagem através de milhares de anos de história. Plínio, o Velho, já descrevia a ilha nas suas obras sobre a Península Ibérica. Chamou-lhe insula Aunios, um nome com uma raiz indo-europeia que se refere claramente à água e ao seu fluxo. No entanto, existem informações sobre povoações em Ons muito mais antigas, Foram encontrados vestígios paleolíticos, bem como vestígios da idade do metal. Os restos mortais de dois fortes que se desenvolveram na ilhaO esplendor deste sítio remonta ao fim da Idade do Bronze. O castro é um povoado fortificado caraterístico do povo celta, geralmente pré-romano, que se localiza tipicamente nas Rias Baixas e também em todo o noroeste da Península Ibérica.

Embora não disponhamos de muitas informações, sabe-se que na Idade Média era um local de congregação de monges eremitas e que, ao longo dos anos, a propriedade do arquipélago passou por várias mãos. Assim, até ao século X foi propriedade dos Reis da Galiza, altura em que passou para o Arcebispado de Santiago de Compostela, que no século XVI doou as terras à nobre família Montenegro.

Como muitas das ilhas atlânticas da Galiza, foi refúgio de piratas no passado, tendo sido também habitada por todo o tipo de marinheiros e colonos durante a Idade Moderna. No século XIX, as ilhas passaram para a posse do Marquês de Valladares, que estabeleceu uma pequena indústria de salga, tendo mudado novamente de mãos no início do século XX. Em meados do século passado, por razões sociais e laborais, a ilha conheceu um boom demográfico, atingindo 530 habitantes em 1955.

Em 1981, Ons foi cedido à Xunta de Galicia, passando assim a fazer parte do domínio público nacional. Será igualmente reconhecido como Parque Nacional e, Desde 2001, o arquipélago pertence ao Parque Nacional Marítimo-Terrestre das Ilhas Atlânticas da Galiza.Ilhas Cíes, Ilha de Sálvora e Ilha de Cortegada.

 

ILHA DE ONS OU ILHAS CÍES?

São muitos os viajantes que hesitam em visitar a ilha de Ons ou as ilhas Cíes. Tentar decidir entre duas viagens a sítios diferentes não é fácil! Sem sair da Galiza, é preferível visitar a ilha de San Simón ou San Vicente del Mar? É possível comer marisco de melhor qualidade na Ría de Vigo ou na Ría de Arousa? A praia de Melide é mais bonita do que as praias de Viñó ou Nerga? Rías altas ou Rías Baixas? Férias em julho ou agosto?

Confrontado com estes dilemas, Só podemos responder que, se se trata de viajar e divertir-se, porque não visitar ambos? É verdade que, nos últimos anos, a ilha de Ons tem sido um pouco ofuscada pelas ilhas Cíes e que, embora todo o complexo faça parte do Parque Nacional das Ilhas Atlânticas, estas últimas têm gozado de maior popularidade e publicidade. Talvez isto se deva ao facto de o jornal britânico The Guardian ter escolhido, há alguns anos, a praia de Rodes como a melhor praia do mundo, com as suas areias finas e brancas. No entanto, Ons está gradualmente a abandonar os seus complexos, deixando claro que esta ilha tem tantas maravilhas naturais para admirar e praias para desfrutar como as suas ilhas irmãs.

Visitar a ilha de Ons ou as ilhas Cíes? Ilha de Ons e Ilhas Cíes!

 

O QUE VISITAR NA ILHA DE ONS?

O que visitar em Ons: Caminhadas e trilhos
Mapa de Ons: Percursos pedestres

Quer pretenda dormir na ilha de Ons e aí passar alguns dias, quer prefira uma visita mais curta, temos as seguintes opções e voltar, pode desfrutar de tudo o que este sítio tem para oferecer através do excursões guiadas oferecidas pelos serviços do Parque e percursos pedestres passeios auto-guiados ao longo dos seus percursos. A partir de hoje, 18 de setembro de 2018, já existem quatro percursos autoguiados que cobrem quase toda a extensão da ilha:

  • ROTA DO NORTE. Como o seu nome indica, percorre toda a parte norte e atravessa a ilha no seu ponto mais estreito. É a mais longa das quatro rotas, com pouco mais de oito quilómetros, e percorre as falésias da costa atlântica, onde se pode observar a reprodução de várias espécies de aves, ao abrigo do peculiar clima das Rias Baixas. A praia de Melide, a praia de nudismo de Ons, e as suas impressionantes dunas também podem ser vistas neste percurso. Este percurso é normalmente efectuado em cerca de três horas e a sua dificuldade é média-difícil.
  • ROTA SUL. Duas horas e meia de duraçãocom um comprimento de 6,2 quilómetros e dificuldade média, o itinerário do sul inclui alguns dos locais de visita obrigatória para os visitantes, como o Ponto de vista dos Fedorentosque oferece uma vista panorâmica de cortar a respiração da ilha para todo o Parque Nacional, ou o Buraco do Inferno (literalmente, Buraco do Inferno), um espantoso abismo com mais de 40 metros de profundidade onde, segundo a lenda, se ouvem todos os lamentos das almas pecadoras em dias de vento. Para acalmar os ânimos, durante o passeio percorreremos as praias da parte sul da ilha, como a Área dos Cans ou a Praia do Pereiró.
  • ROTA DO CASTELO. Talvez a mais popular das rotas da ilha, um passeio suave de apenas 1,1 km. e uma curta caminhada. dificuldade média – fácil. Começa na emblemática Praia das Dornas, onde se podem ver alguns velhos barcos de pesca à vela (as típicas dornas), e continua ao longo da costa e de um pequeno bosque de salgueiros, em direção a norte, até ao miradouro do Castelo, com excelentes vistas de toda a ria de Pontevedra e das suas praias. Em seguida, a rota desce para o interior em direção a O Curro, principal centro populacional da ilha de Ons. No total, é uma caminhada suave de cerca de 40 minutos com apenas cerca de 33 metros de elevação.
  • ROTA DO FAROL. Este itinerário começa no posto de informação da ilha de Ons, em O Curro, e sobe em direção ao bairro de Cucorno. O seu destino é o farol a 128 m. O farol continua a ser operado por um faroleiro e desce ao longo das falésias até chegar à enseada de Caniveliñas. No seu ponto mais baixo, segue-se um caminho que atravessa a largura da ilha para regressar ao ponto de informação inicial. No total, são percorridos 4 quilómetros em hora e meia, sendo o mais fácil dos quatro percursos.
Caminhadas: visitar a ilha de Ons
Visitar a ilha de Ons: actividades e percursos

Para além das caminhadas e dos percursos em terra, convém lembrar que se trata de um Parque Natural Marítimo e Terrestre. Quer visite a ilha de Ons ou as Ilhas Cíes, a melhor maneira de descobrir os mistérios escondidos no mar é mergulhar nas suas águas, praticando snorkelling, mergulho livre ou mergulho com escafandro. A ria de Pontevedra alberga diferentes variedades de algas , peixes e formações rochosas que servem de ambiente e abrigo a todo o tipo de fauna e flora marinhas. Se o mergulho não for a sua praia, pode sempre desfrutar de um passeio de catamarã no qual pode ver através do seu convés e descobrir todos os segredos da natureza sob o mar dos estuários.

A rota marítima do Caminho de Santiago também pode ser percorrida de barco. Em direção a Iria Flavia, o Caminho passa perto das ilhas de Ons e Sálvora. É o único itinerário que se faz essencialmente por barco, acabando por se juntar ao itinerário português.

 

COMER NA ILHA DOS ONS

Visitar a ilha de Ons é sinónimo de uma grande experiência gastronómica. Marisco, peixe, tartes, vinhos… todo o sabor natural da Galiza é duplamente apreciado ao som do mar, olhando o céu, contemplando Bueu, a Isla Onza ou as Cíes ao fundo.

Desde 1945, a Casa Acuña é um dos restaurantes mais apreciados por todos os visitantes da ilha. Palmira Acuña, que dirige este restaurante com capacidade para 200 pessoas, orgulha-se de preparar o melhor polvo da Galiza, e não é de admirar, pois a sua cozinha foi reconhecida com vários prémios. Todos os peixes e mariscos preparados são frescos, provenientes das Rias Baixas, e são acompanhados pelos melhores vinhos da região. Para o cliente é como comer em casa, pois a preocupação do pessoal com o atendimento e a qualidade fazem da Casa Acuña um dos melhores restaurantes da Galiza. Está aberto todos os dias, da Páscoa a outubro.

Outra boa opção para almoçar na ilha de Ons, a poucos metros da Casa Acuña, é o Bar O Pirata. Especializado em churrasco e marisco, oferece um menu fixo diário e está aberto todos os dias durante a época alta, de 22 de junho a 15 de setembro. É um ponto de encontro na ilha, talvez graças ao facto de ser um dos restaurantes que oferece as melhores vistas dos estuários a partir do seu terraço, num cenário natural privilegiado.

 

DORMIR NA ILHA DOS ONS

Alojamento em Isla de Ons
Visitar a Ilha de Ons: Alojamento e restaurante Casa Acuña

Dormir na ilha de Ons é a melhor opção se quiser desfrutar da sua viagem com mais tranquilidade. Encontrámos duas ofertas interessantes para passar a noite na ilha.

A já mencionada Casa Acuña é uma casa de hóspedes com 20 quartos duplos com casas de banho individuais. Os quartos estão totalmente equipados e têm um aspeto acolhedor e moderno. Também vale a pena mencionar as vistas espectaculares das janelas dos quartos.

Se preferir visitar a ilha de Ons ainda mais em contacto com a natureza, o Camping Isla de Ons garante-lhe uma experiência única na sua viagem. Este é o primeiro parque de campismo autossustentável da Galiza, totalmente respeitador do seu ambiente, com instalações modernas onde se pode desfrutar deste paraíso natural como nunca antes.

Dispõe de uma grande área de campismo delimitada por parcelas, onde pode montar a sua própria tenda ou alugar uma das tendas que o parque de campismo coloca à disposição do cliente. E é aqui que encontramos uma das mais agradáveis surpresas que o Camping Isla de Ons tem para oferecer: o glamping.

Dormir na ilha de Ons
Parque de campismo Isla de Ons

O glamping está cada vez mais na moda em todo o mundo e é uma opção de viagem muito atractiva para milhares de pessoas. O parque de campismo Isla de Ons tem a maior variedade de instalações de glamping da Galiza. Este é o combinação perfeita de glamour e campismo, porque todos nós gostamos de desfrutar da natureza enquanto acampamos, mas também queremos tornar o nosso descanso totalmente agradável, o que nem sempre é possível numa tenda tradicional. O parque de campismo Isla de Ons oferece uma tenda de lona moderna sobre uma base de madeira com uma gama completa de equipamento de glamping: mesas, colchões, almofadas, alpendre… Basta experimentar uma vez para perceber que o gampling é o conforto de uma casa trazida para o parque de campismo. Uma das melhores alternativas para todas as suas viagens.

Além disso, para os utilizadores de áreas de jogo e de campismo tradicional, O Camping Isla de Ons dispõe de um parque infantil, cafetaria e lavandaria, mercearia e outros serviços como primeiros socorros, ponto de limpeza, ponto de informação, serviço de transfer e serviço de segurança. O parque de campismo é acessível a pessoas com deficiência. Durante a época alta, há várias actividades e espectáculos para crianças e adultos e fácil acesso às praias da zona.

Glamping: Visitar a ilha de Ons
Experimente o Glamping no Parque de Campismo Isla de Ons

Devido à grande procura, não é fácil encontrar um lugar livre, pelo que recomendamos que faça reservas independentemente da opção que escolher para passar a noite na sua visita à ilha de Ons. O parque de campismo pode ser reservado através do seu sítio Web.

Por fim, lembre-se que a Ilha de Ons faz parte de um Parque Natural e que, de acordo com a sua política, não são permitidos animais de estimação.

 

VISITAR A ILHA DE ONS , E VOLTAR A VISITÁ-LA!

Sinais na ilha de Ons

Esperamos que tenham gostado desta pequena viagem à volta da ilha de Ons. Estamos dispostos a voltar sempre e tenho a certeza de que o fará também. Já teve a sorte de visitar a ilha de Ons? Já te banhaste nas suas praias?

O que achaste da tua viagem? Deseja obter mais informações? Se quiser partilhar as suas impressões connosco, ou se ainda tiver fome de mais, encorajamo-lo a seguir-nos nos nossos canais do Facebook e do Twitter. Deixe um comentário, dê-nos a sua opinião, veja as fotografias mais espectaculares da região ou saiba mais sobre a próxima aventura a ser publicada. Ou, se preferir, junte-se a nós a bordo e escolha outros destinos no nosso sítio Web.

¿Tienes alguna duda?

Nuestro equipo a tu disposición para resolver tus dudas.

× WhatsApp