Skip to main content

10 curiosidades que talvez não saiba sobre as ilhas atlânticas da Galiza

Se há uma coisa que conhecemos na Nábia, são as ilhas, viajamos para elas e nunca nos cansamos de as descobrir. Especificamente, hoje queremos falar-vos de Cíes, Ons e Sálvora, que fazem parte do Parque Nacional das Ilhas Atlânticas.

Mesmo que as conheçamos bem, as ilhas oferecem-nos tanto que vemos coisas diferentes de cada vez que as visitamos. Vemos como a paisagem muda consoante a estação do ano, vemos histórias que as crianças imaginam, vemo-las com os olhos de quem vê o mar pela primeira vez ou, de repente, vemos como somos acompanhados no nosso passeio por um ganso-patola que voa a poucos metros de distância.

É por isso que hoje queremos apresentar-lhe dez lendas, factos e curiosidades sobre estas ilhas que talvez não conheça.

  1. Especula-se que a ilha de Ons e as ilhas Cíes faziam parte das Cassiterides de que falavam os gregos antigos. O nome Kassiteros significa produtores de estanho. Os gregos deram este nome a um grupo de ilhas que produziam o estanho que chegava às suas aldeias.. A localização exacta destas ilhas continua a ser um mistério. e referia-se a um local entre a Galiza, a Bretanha francesa e a Grã-Bretanha. Não existem provas da existência de minas de estanho nas ilhas, pelo que estas teriam sido um entreposto comercial na rota comercial.
  2. Diz a lenda que as Ilhas Cíes serviram de refúgio aos Hermínios, como se fossem uma última aldeia gaulesa. Os Hermínios eram um povo celta do norte de Portugal, um grupo destes guerreiros conseguiu escapar aos romanos, refugiando-se na ilha das Cíes. Finalmente, após o cerco de Júlio César e das suas tropas na ilha de Pharos, os Hermínios tiveram de se render aos Romanos.
  3. O farol de Cíes é o farol galego cuja luz é a mais alta acima do nível do mar, com 187 metros. Os nossos visitantes sabem-no bem, uma vez que o caminho para o farol é um dos mais concorridos e mais procurados devido à sua subida em ziguezague, que exige um esforço final antes de atingir o ponto mais alto das ilhas.
  4. As Cíes serviram de posto de controlo sanitário provisório antes da construção do lazareto de San Simón em 1842. Nessa altura, viviam nas ilhas um delegado de saúde, dois pilotos e quatro marinheiros que iam ao encontro de todas as embarcações que se dirigiam ao porto de Vigo para se informarem da sua proveniência e do seu estado de saúde. Se suspeitassem que a tripulação do navio pudesse estar infetada por uma doença, ordenavam que fossem detidos até chegarem ao porto.
  5. O farol de Ons é um dos faróis de maior alcance da Galiza e de Espanha. O seu feixe tem um alcance de 25 milhas, o que equivale a cerca de 46 km. Além disso, o farol de Ons continua a ser controlado pelos olhos de um faroleiro, um dos poucos exemplos que restam em Espanha.
  6. A ilha de Sálvora tem a sua própria sereia: Mariña. Uma sereia muda que foi encontrada na praia pelo cavaleiro Dom Froilaz. Don Froilaz casou-se com ela e dessa relação nasceu Mariño. Numa tentativa de fazer Mariña falar, o fidalgo decidiu assustá-la e aproximou o filho de uma fogueira, fingindo atirá-lo ao fogo. Foi com esta impressão que a sirene emitiu o seu primeiro som. Assim nasceu a linhagem dos Mariño, os primeiros proprietários da ilha.
  7. Ons é a ilha com mais furnas no Parque, cerca de 30. As furnas são grutas criadas pela erosão em zonas de arriba e pela fracturação de rochas. O mais visitado de todos é o Buraco do Inferno, uma furna cujo teto ruiu, criando um poço de 43 metros.
  8. Os cavalos galegos vivem na ilha de Sálvora. O pastoreio sempre foi uma atividade tradicional na ilha de Sálvora e hoje cerca de uma dezena de cavalos pastam livremente e contribuem para a conservação da paisagem.
  9. Tanto Cíes, como Ons e Sálvora tinham fábricas de sal ga. O carácter insular e a ligação dos seus habitantes com o mar sempre foram importantes, e prova disso é a relação das suas economias com as actividades pesqueiras.
  10. O famoso microclima de que se fala frequentemente não é uma lenda urbana. O clima das ilhas não é típico do carácter atlântico que temos em terra, pois a falta de precipitação no verão leva a um período de seca. Esta situação é típica de um clima mediterrânico.

Estes são apenas alguns factos sobre as ilhas, venha descobri-las connosco ( https://www.piratasdenabia.com/comprar-billetes ) e verá como elas nos contam histórias diferentes, tudo depende da cor do vidro através do qual as olhamos.

¿Tienes alguna duda?

Nuestro equipo a tu disposición para resolver tus dudas.

× WhatsApp